Mercado de Trabalho

A perspectiva atual e futura para a colocação desse profissional no mercado de trabalho é muito boa, pois o cultivo de diversas espécies, como peixes de água doce, camarões e moluscos marinhos (mexilhão e ostra), já é bastante comum em algumas regiões do país. O Estado de Santa Catarina está entre os que se desenvolveram nesse aspecto.

O profissional egresso da UFSC é o primeiro no Brasil com formação totalmente voltada para este campo, o que o colocará em vantagem com respeito a outras profissões.

O Engenheiro de Aquicultura pode atuar em empresas de produção de organismos aquáticos, como consultor para associações e cooperativas de produtores, Prefeituras, Secretarias de Agricultura, empresas públicas, privadas etc; como empresário na produção de organismos aquáticos e seu beneficiamento; ou no ensino/pesquisa da Aquicultura em instituições públicas e privadas em nível superior ou técnico.

O registro profissional para os egressos do curso de Engenharia de Aquicultura no CREA foi aprovado pela resolução No 493 do CONFEA, de 30 de junho de 2006.

No dia 14 de julho de 2007 foi aprovado por unanimidade no CREA/SC, a criação do dia do Engenheiro de Aquicultura.